Rumo Novo

New Adult

Livro ler capítulo

Estatísticas:


10

Ir para outro capítulo:

Publicidade

Capítulo

Tamanho da fonte:

Largura do texto:

Mudar cor do fundo para:

Escuro Claro

Tela cheia:


Rumo Novo
Capítulo 1

Miguel

Durante o trajeto olhava pela a janela da van tudo que havia deixado para trás, quer dizer exceto o sonho de voltar para a cidade apenas com o objetivo de buscar os meus anjinhos inocentes que não têm culpa de nascer em mundo tão cruel e sem esperança. Desde pequeno subia no pico mais alto da montanha somente para esquecer o pouco da miséria enquanto sonhava em como seria ter um pouco da vida das crianças que via na pequena e antiga televisão em preto e branco do bar do Jeca, um homem que deduzia a vida apenas em cachaça e mulher. A cada quilômetro em que me distanciava da pequena cidade de Santa Cruz, município de Rio Grande do Norte tinha a plena certeza que os fazendeiros Silvas dariam uma vida mais digna que os meus pais sequer se esforçaram a oferecer. Encarar aqueles rostinhos abatidos tostados pelo o sol foi o pior momento que já vivenciei em meus dezesseis anos.

-Olha, estou indo para me tornar num grande doutor e dar a vocês uma vida melhor. _falava de joelhos diante delas enquanto segurava uma pequena mala doada pela a senhora Florinda.

-Não Guel, não quero que vá... Prometo que vou me portar bem na escola. _Maria pronunciava em meio ao choro, por mais que as lágrimas quisessem transbordar pelo o rosto a vida tinha me tornado num garoto frio sem apego algum.

-Parem, jamais chore na frente das pessoas, isso só demostra fraqueza. _de imediato elas fizeram um movimento com a garganta demostrando obediência a mim. Em seguida fiz um sinal para a empregada da fazenda se aproximar, ela caminhou com o semblante abatido, provavelmente havia escutado o quanto a história absurda que a mãe abandonou os filhos para se aventurar numa paixão avassaladora entre uma mulher pobre do campo e um homem rico, bem de vida da cidade grande, se não fosse o bastante o pai traído se suicidou por não suportar tamanha vergonha e dor na pequena cidade do sertão nordestino. Dei as costas para a fazenda assim que a empregada puxou os braços franzinos dos anjinhos inocentes, certamente elas iriam me odiar quando tivesse um pouco mais de maturidade, contudo era maduro o suficiente que família não vive apenas de afeto e amor, ainda mais quando se tem duas responsabilidades com sete anos de idade.

...

...

...

É preciso estar logado para visualizar o restante do capítulo.

Este conteúdo é protegido pela Lei nº 9.610/98 – a Lei de Direitos Autorais.
Assinar ou apresentar como seu é crime pois viola os direitos de autor.

O acesso a este conteúdo é registrado de acordo com as políticas de uso.

Capítulo comentários

É preciso estar logado para poder comentar. clique aqui para entrar ou fazer o cadastro

Comentários

Carregar Mais

Livro compartilhar

Olá, você pode compartilhar ou convidar seus amigos, para ler esse livro através do Facebook, Twitter ou Email.