Capítulo

Publicidade

A Maldição da Lua

O papo das balas deixou Anjico preocupado. Nicinha tinha razão, a munição não acabava. E até sobre a menstruação também: “Qui diabu di muié qui fica sem pingá?”. Reconhecer que ela estava certa seria um problema.

— Tu tá mi ouvinu, hômi?

Anjico levou o indicador à frente da boca:

— Shiiii! — tirou o revólver e fez sinal para Nicinha se abaixar.

A fera se agitou e saiu do cerco das árvores. O luar descobriu a nudez da besta. O gigantesco lobo tinha uma pelagem densa e desgrenhada. Em cima, a cor se acentuava quase negra. A fraqueza da tonalidade se expandia dos lados. O focinho grande e a cauda magra se encarregavam de esticar a fera; os quadris, o abdômen e o peitoral apresentavam características humanas.

...

...

...

É preciso estar logado para visualizar o restante do capítulo.

Este conteúdo é protegido pela Lei nº 9.610/98 – a Lei de Direitos Autorais.
Assinar ou apresentar como seu é crime pois viola os direitos de autor.

O acesso a este conteúdo é registrado de acordo com as políticas de uso.

Ir para outro capítulo:

Capítulo comentários

É preciso estar logado para poder comentar. clique aqui para entrar ou fazer o cadastro.

Comentários

Carregar Mais

Livro compartilhar

Olá , você pode compartilhar ou convidar seus amigos, para ler esse livro através do Facebook, Twitter ou Email.