Drama
32
7

Capítulo

Publicidade

CAPITULO ONZE

Estávamos investigando uma facção criminosa. Era um trabalho que exigia muita atenção o tempo todo, horas extras na delegacia, leituras de relatórios, pesquisas... Por mais que eu amasse meu trabalho, às vezes era cansativo e naquela noite eu só queria chegar, tomar um banho e assistir qualquer coisa na tv enquanto devorava um prato de macarrão instantâneo.

Quando cheguei e entrei no meu apartamento ouvi um barulho de alguém martelando alguma coisa, tomei banho e aquele barulho continuava. Preparei a rápido jantar, sentei no sofá, liguei a tv e o som das marteladas voltou. Não estava me incomodando, só não sabia de onde vinha.

Dei a primeira garfada, a segunda e na terceira, a campainha tocou. Odiava ser interrompida durante a refeição, ainda mais se estivesse morrendo de fome como naquele dia. Abri a porta com cara de poucos amigos e o encarei.

— Oi, - ele disse -  Me chamo Eduardo. Me mudei hoje...

— Ah, então as marteladas eram suas. – interrompi.

...

...

...

É preciso estar logado para visualizar o restante do capítulo.

Este conteúdo é protegido pela Lei nº 9.610/98 – a Lei de Direitos Autorais.
Assinar ou apresentar como seu é crime pois viola os direitos de autor.

O acesso a este conteúdo é registrado de acordo com as políticas de uso.

Ir para outro capítulo:

Capítulo comentários

É preciso estar logado para poder comentar. clique aqui para entrar ou fazer o cadastro.

Comentários

Carregar Mais

Livro compartilhar

Olá , você pode compartilhar ou convidar seus amigos, para ler esse livro através do Facebook, Twitter ou Email.