Corações Marcados

Romance

Livro ler capítulo

Estatísticas:


3

Ir para outro capítulo:

Publicidade

Capítulo

Tamanho da fonte:

Largura do texto:

Mudar cor do fundo para:

Escuro Claro

Tela cheia:


Corações Marcados
Capítulo 9

Elena

Quando a polícia arrombou o portão da casa onde eu morava com a minha mãe e me resgatou, fui levada a um abrigo. Passaram-se três dias antes de localizarem alguém da minha família: minha avó materna, vó Fátima. Meu pai morreu um ano após meu nascimento ao ser atingido por uma bala perdida enquanto voltava do trabalho. Era um homem esforçado, carinhoso e responsável, diz minha avó. E parecia ter colocado um pouco de juízo na cabeça de Rita, que, também segundo dona Fátima, sempre foi inconsequente.

Apesar de ter ficado por tão pouco tempo no abrigo, e ter apenas nove anos na época, ainda me lembro do lugar e das pessoas que cuidaram com tanto carinho de mim. O imóvel não era grande demais. Era uma casa de quatro dormitórios, com um lindo jardim na frente e um quintal amplo atrás. Anos depois descobri que se recomenda que a instituição se assemelhe a um lar de verdade para que as crianças não sintam muita diferença das casas de onde foram obrigadas a sair.

Lembro-me também das crianças que lá estavam. Algumas abandonadas por ambos os pais; muitas outras retiradas de suas famílias por ordem judicial devido à violência doméstica ou à exposição às drogas por pais viciados. Existiam ainda casos de pais falecidos ou que apresentavam doenças mentais e não podiam cuidar de seus filhos; e os outros familiares dessas crianças não aceitavam acolhê-las.

A realidade dos abrigos é duríssima. Muitas crianças chegam machucadas, traumatizadas, destruídas emocionalmente. Todas têm em comum o fato de quererem ser amadas e voltar para suas famílias. O esforço da justiça para que elas sejam reinseridas em seus lares de origem não cessa. Trabalha-se o tempo todo com a ideia de que elas estão nos abrigos provisoriamente, enquanto suas famílias recebem auxílios social e psicológico necessários para recebê-las de volta e tratá-las de forma saudável. A adoção dos pequenos por outras famílias acontece apenas quando todas as possibilidades de retornarem para as suas se esgotam.

...
...
...

É preciso estar logado para visualizar o restante do capítulo.

Este conteúdo é protegido pela Lei nº 9.610/98 – a Lei de Direitos Autorais.
Assinar ou apresentar como seu é crime pois viola os direitos de autor.

O acesso a este conteúdo é registrado de acordo com as políticas de uso.

Capítulo comentários

É preciso estar logado para poder comentar. clique aqui para entrar ou fazer o cadastro

Comentários

Carregar Mais

Livro compartilhar

Olá, você pode compartilhar ou convidar seus amigos, para ler esse livro através do Facebook, Twitter ou Email.