Suspense-Mistério
97
0

Capítulo

Publicidade

Capitulo dedicado à: “A sensação que ela me trouxe, nas trevas em que tudo se fez, foi a de estar juntamente onde eu devia estar e de nunca ter estado melhor.” Nélson de Araújo (1926).


A DONA DO SALÃO DE BELEZA.

Maurice Júnior havia acabado de chegar a sua casa, depois de um estafante dia no cartório, e estava sem ter o que fazer, quando seu amigo Andrew ligou dizendo que estava num bar próximo à casa de Maurice, o Tio Maneco. Maurice não sabe o porquê, mas gosta de bares. Talvez por seus pais forem uns beberrões, mas no geral, a grande maioria tem um clima boêmio, e esse não era exceção. Era ano de 2009, mês de julho, dia de sábado à noite. Maurice falou a Andrew que em meia hora ele chegaria. Dito e feito: o mesmo se arrumou rápido e chegou lá em vinte minutos. Como não era dia de apresentação de algum músico do meio alternativo, e só estava rolando som mecânico, ele não pagou o cover artístico para entrar e foi até a mesa onde Andrew estava. 

Ficaram conversando sobre várias coisas do dia-a-dia, e já estavam na quarta cerveja, quando parou um carrão na porta do bar, e ela desceu: ruiva, magra, bem cuidada, mais ou menos um metro e sessenta e cinco de altura, olhos verdes, corpo e alma maduras. Ela aparentava ter uns quarenta e dois anos de idade, e estava acompanhada de dois rapazes mais novos que ela. Dava pra notar que eram mais novos, não só pela aparência, mas também pelas roupas deles, pois usavam bermudas floridas, sandálias havaianas brancas e um deles estavam usando boné de aba reta.

Como sentaram numa mesa próxima da de Maurice e Andrew, não notar a conversa deles era impossível. Era de ficar impressionado de ver uma mulher bem vestida, pronta e preparada para sair pra qualquer lugar, independente (pois era ela quem estava dirigindo), dando indiretas para o ficante, dizendo que a noite estava boa para ir à praia ver a lua e as estrelas, passear sozinho etc. E o ficante dela estava apenas pedindo cervejas, que certamente seriam ela quem iria pagar. Quando ouviu aquilo, Maurice chegou para Andrew e disse:

- Mas repara Andrew: uma mulher daquelas, bem arrumada, querendo sair pra se divertir, tendo que ficar dando indireta pra o cara, e o "filho da puta" nem aí pra ela. Tá só pedindo cerveja. Vou tomar essa mulher dele!

- Sim... E você é o que? Galã de novela ou ator de cinema, pra apontar pra uma mulher e dizer que ela vai ser sua? Sem contar que se você olhar na mão esquerda dela, você vai ver o tamanho do problema.

...

...

...

É preciso estar logado para visualizar o restante do capítulo.

Este conteúdo é protegido pela Lei nº 9.610/98 – a Lei de Direitos Autorais.
Assinar ou apresentar como seu é crime pois viola os direitos de autor.

O acesso a este conteúdo é registrado de acordo com as políticas de uso.

Ir para outro capítulo:

Capítulo comentários

É preciso estar logado para poder comentar. clique aqui para entrar ou fazer o cadastro.

Comentários

Carregar Mais

Livro compartilhar

Olá , você pode compartilhar ou convidar seus amigos, para ler esse livro através do Facebook, Twitter ou Email.