Capítulo

Publicidade

A solidão

Era uma noite tranquila e calma de lua-cheia na Londres Medieval do século XII, se não nos ativéssemos ao fato de ser uma noite de super lua: uma rara noite onde a lua se aproxima mais da Terra, dando-lhe uma característica bela e gigantesca. O silêncio no desfiladeiro seria fúnebre, se a natureza não tivesse sua própria melodia. O som de morcegos, corujas e outros animais noturnos quebrava esse silêncio, como uma orquestra de animais notívagos. Ao longe, podia-se avistar Licanárkia, com suas tochas acesas. A cidade que surgiu na era medieval crescia aos poucos e se erguia de maneira sólida, em cima dos preceitos anarquistas ensinados aos cidadãos pelo sorridente, porém misterioso Liebel Lorrah Dogirrah Mezzo: um homem de estatura elevada, um metro e oitenta de altura, robustez greco-romana, persa de nascimento, inglês de alma, e por mais que o tempo pas

Porém, quem estava a observar Licanárkia ao longe não era o homem sorridente e dotado de conhecimentos que muito ensinara e ainda ensina aos moradores daquela cidade que não está no mapa. Quem observava do alto do desfiladeiro que também é sua moradia há muitos séculos era o monstro que Liebel escondia por debaixo da pele e que poucas pessoas conhecem em sua verdadeira forma. Ele, a besta-fera lupina cuja presença põe medo nos demônios infernais; detentor do punho do dragão amarelo, das gêmeas Zatani, da espada da guerra e do cavalo rubro apocalíptico; eleito o sétimo erradicador por excelência; a arma-viva mais perigosa já criada para manter a ordem natural de todas as coisas; o efeito colateral de toda a Criação Divina e, ao mesmo tempo, a única máquina de guerra capaz de deter qualquer legião: Le

As super luas, quando acontecem, são a oportunidade que os primeiros lobisomens possuem para fazerem um tipo de oração lican para o criador. Esses primeiros lobisomens são chamados também de raça pura por causa da sua capacidade de raciocínio, que não se perde quando estão na forma lican, se tornando caçadores perfeitos. Pois os lobisomens grotescos cujas transformações são dolorosas e, depois de transformados, perdem a capacidade de raciocínio na forma lupina, vieram depois deles e foram criados através da inveja que o príncipe do inferno tem do Criador. E lá está ele, Lex Dogmez, o último dos primeiros, mesmo discordando de muitas coisas existentes na criação e expansão dos homens pelo mundo, realizando sua prece, como era no princípio e como vai ser agora e sempre enquanto ele ainda estiver re

Desde que eu comecei a ouvir as lições da Sabedoria ensinadas a mim pela minha matilha persa, pelo sexto erradicador, Talmud “o abutre” e pela minha busca constante no aperfeiçoamento de minhas habilidades para lutar contra o mal acima e abaixo deste mundo corrompido pelo próprio ser humano, não Vos supunha Criador, sob a figura humana de Emanuel, cuja verdadeira figura é totalmente diferente do que fala e prega a vossa Igreja Católica, que necessitava de ajuntar ao meu redor, guerreiros cujas habilidades se somariam à minha luta pela ordem natural de todas as coisas. E assim, apesar de conhecer Sua figura sob a forma de corpo humano, necessitava, contudo, de não Vos imaginar como sendo um ser corpóreo situado no espaço, quer observando o mundo quer espalhado por fora do mundo, através do universo infinito, ou de vários universos e várias rea

É absolutamente certo que de modo nenhum, pode a corrupção do ser humano alterar a criação e até mesmo tu, Criador, por meio de qualquer vontade humana ou de algum anjo caído, de qualquer necessidade humana ou de qualquer acontecimento feito pelos caídos. Isto porque Tu és o próprio Criador: tudo o que criaste à parte a corrupção do ser humano é bom e Tu és o mesmo bem. Bom, conhecer, estar sujeito e combater a corrupção não é um bem. Qual a origem da corrupção humana, se Vós Criador, que é bom, fez todas as coisas? Sendo um poder infinito e fonte de todo o Bem, criastes bens menores do que Vós, mesmo alguns destes bens tendo se corrompido e se voltado contra o mesmo, adorando deuses, anjos, reis e demônios. Mas enfim, o Criador e as criaturas, todos são bons. Ainda nisso,

...

...

...

É preciso estar logado para visualizar o restante do capítulo.

Este conteúdo é protegido pela Lei nº 9.610/98 – a Lei de Direitos Autorais.
Assinar ou apresentar como seu é crime pois viola os direitos de autor.

O acesso a este conteúdo é registrado de acordo com as políticas de uso.

Ir para outro capítulo:

Capítulo comentários

É preciso estar logado para poder comentar. clique aqui para entrar ou fazer o cadastro.

Comentários

Carregar Mais

Livro compartilhar

Olá , você pode compartilhar ou convidar seus amigos, para ler esse livro através do Facebook, Twitter ou Email.