New Adult
145
2

Capítulo

Publicidade

A DEVASSA DO LUST

Era conhecida apenas por Berenice, ou melhor: doutora Berenice. Uma advogada recém-formada, bem conhecida em sua cidade natal, Louisiana e até mesmo em seu enor escritório em Los Angeles: 35 anos, altura mediana, olhos e cabelos pretos, pele branca, curvas delineadas, pernas grossas, seios médios e bem atraentes, dessas de fazer o trânsito parar quando se despe da vestimenta de advogada e põe as vestimentas da esposa dedicada que é.

Moradora de West Hollywood, casada com um médico cirurgião muito dedicado, chamado Simon e mãe de uma única filha, Berenice seria uma esposa perfeita, se não fosse o estranho desejo que possuía que era o de se vestir com trajes mínimos e ir para a periferia de Los Angeles, mais precisamente em South Los Angeles, frequentar o cinema Lust: um cinema pornô muito frequentado às escondidas pelos moradores da localidade. O cine Lust é um cinema pornô situado em uma área de classe inferior à da advogada. Mas mesmo sem que ninguém a conhecesse por causa das roupas, ela tinha um nome muito popular e que fazia a cabeça dos frequentadores enlouquecerem: ela era chamada de “a devassa do Lust”.

Todas as quartas-feiras a noite, dia em que o cinema estava com público reduzido era o dia em que ela aparecia. Sua vestimenta era quase sempre a mesma: saia de tecido leve, calcinha fio-dental e uma blusa de alcinhas sem sutiã. Quase não mudava o visual, a não ser quando saía do escritório e ia direto pro Lust. E não frequentava semanalmente, para não atrair um público maior de homens.

Assim que chegava, cumpria com seu ritual, dava uma volta pra ver os homens que estavam ao redor, ia para o fundo do cinema e ficava encostada em pé numa pilastra. Um ou outro homem se aproximava dela, falava alguma coisa, mas de nada adiantava, pois ela não expressava nenhum interesse em conversar ou trocar alguma ideia. O que ela desejava e que alguns poucos ali, e até mesmo o marido não mostrava ou oferecia eram ações: ela não era de conversar com homens daquela área, mas deixava que eles a assediassem, pegassem nela, se aproximassem por trás e se esfregassem nela, como se a mesma fosse apenas um objeto de uso recreativo deles. Ás vezes deixava até que os homens colocassem o pau pra fora e ficassem esfregando nela. Ela delirava com esses gestos instintivos que os homens faziam.

Sabendo dessa história através do boca-a-boca, um jovem morador de West Hollywood chamado Larry, com apenas dezoito anos, barba precoce e muita coragem, resolveu ir até o cinema em que essa mulher se fazia de puta pra satisfazer seus instintos de fêmea. Na quarta-feira, ele rumou para South Hollywood, para conhecer o tal cinema Lust. Nesse dia ele foi bem à vontade: bermuda marrom, camisa polo amarela e sapa-tênis marrom também. O que diferenciava as suas vestes, era o fato de que ele não usava roupas de baixo: estava sem cueca.

...

...

...

É preciso estar logado para visualizar o restante do capítulo.

Este conteúdo é protegido pela Lei nº 9.610/98 – a Lei de Direitos Autorais.
Assinar ou apresentar como seu é crime pois viola os direitos de autor.

O acesso a este conteúdo é registrado de acordo com as políticas de uso.

Ir para outro capítulo:

Capítulo comentários

É preciso estar logado para poder comentar. clique aqui para entrar ou fazer o cadastro.

Comentários

Carregar Mais

Livro compartilhar

Olá , você pode compartilhar ou convidar seus amigos, para ler esse livro através do Facebook, Twitter ou Email.