Capítulo

Publicidade

bonus Mari

Patinho feio.
Ovelha negra
Ninguém
Menos que nada.
A sobra,
A sombra de alguém.

Lembro claramente de quando eu era filha unica e era muito bom me sentia amada, ate o dia que Melanie nasceu.
Ela era linda e pequenininha, o problema é que eu nao podia falar que pediam silêncio.
As vezes me esquecia que tinha um bebe em casa e eu ria alto e so faltava levar uma surra por isso.
Eu nunca odiei Melanie, nem mesmo José, eu so queria ser notada e ser membro da familia.
Eu queria que percebessem o que estava de errado comigo,  o que estava me faltando.
Eu queria os abraços que Melanie ganhava em.excesso.
Eu queria que fossem ate minha cama quando eu tivesse pesadelos também.
Eu encontrei nas ruas o que não tinha em casa.
Quando me interessei por Panelinha, ele ainda nao era Panelinha, era apenas o Ruan, um menino estudioso e alegre que ajudava os outros.
Ele sempre arrumado de forma impecável então fiquei com vergonha de

Eu so sabia chorar.
Quando chego em casa, todos estão chorando e minto ter visto na televisão a tragédia.
Eu nunca mais me achei.
Eu nao suportava ficar em casa e ver o sofrimento que causei a minha familia.
Minha sanidade se mantia sã enquanto drogada e assim que acabava o efeito ou estava chorando,  ou tentando me matar.
Cada vez mais sozinha e perdida, fugi de casa e fui morar com Ruan, mas ele nao era mais aquele menino bonzinho.
Agora Ruan, traficava.
Agora Ruan roubava.
Agora Ruan matava.
E assim, começou as agressões físicas e verbais, quando eu NAO queria sexo, ou quando eu chorava na frente dele e quando eu ameaçava ir embora.
Agora eu NAO era mais uma pessoa, eu era apenas,  uma propriedade de um traficante.
Eu era obrigada a me maquiar para esconder o estrago e assim os anos foram passando e que eu cont

------A cadela da sua irmã ta me caçando e eu vou mostrar a ela o que acontece.
Um frio me percorreu a espinha e antes que a primeira lágrima alcançasse a minha bochecha, recebi murros, socos e panos molhados por todo meu corpo.
Eu aprendi com o tempo que se chorar e fazer escândalo,  tudo dura mais tempo então canalizo minha dor pensando num tempo longínquo ao qual fui feliz.

Com uma coragem que jamais tive antes, mando mensagem para um amigo policial da Mel dando as coordenadas.
Estava enfim conseguindo cochilos, quando sou arrastada pelo cabelos recebendo ainda mais tapas.
------Pega o telefone sua vagabunda.
Ao escutar a voz de Melanie, meu coração errou uma batida e eu nao queria que ela me odiasse ainda mais , so que preferia que ela destilasse seu odio a mim do que passasse pela fúria do Panelinha.
Melanie,  sempre querendo abraçar o mundo com as mãos sai do carro para me proteger e e atingida.
Gritei fora da sanidade.
Gritei ate meus pulmões doerem, mas Melanie saiu em disparada em uma perseguição.
Melanie em coma eeu fui designada para uma clínica de reabilitação.
Nada parava no meu estômago e então,  mais uma gravidez.
Quando Lanie foi proteger a cl&iacu

...

...

...

É preciso estar logado para visualizar o restante do capítulo.

Este conteúdo é protegido pela Lei nº 9.610/98 – a Lei de Direitos Autorais.
Assinar ou apresentar como seu é crime pois viola os direitos de autor.

O acesso a este conteúdo é registrado de acordo com as políticas de uso.

Ir para outro capítulo:

Capítulo comentários

É preciso estar logado para poder comentar. clique aqui para entrar ou fazer o cadastro.

Comentários

Carregar Mais

Livro compartilhar

Olá, você pode compartilhar ou convidar seus amigos, para ler esse livro através do Facebook, Twitter ou Email.