Happy Halloween

Conto

Livro ler capítulo

Estatísticas:


3

Ir para outro capítulo:

Publicidade

Capítulo

Tamanho da fonte:

Largura do texto:

Mudar cor do fundo para:

Escuro Claro

Tela cheia:


Happy Halloween
Feliz halloween, Jennifer Lee

O relógio de pulso da morena marcava 23:00 do dia 30 de outubro de 2017. Eleanor Morris caminhava pelas ruas de Salford vestindo suas habituais roupas pretas enquanto o frio a fazia se encolher embaixo do casaco de tecido grosso que quase escondia seu rosto sôfrego.

Ela andava sem destino certo, tal qual fazia sempre que tinha oportunidade. Era normal Morris não saber para onde ir. Não ter um rumo específico, um porto seguro, uma parada, já fazia parte de sua vida há anos. Só não era comum que ela se perdesse dentro de sua própria cidade, como tinha acabado de acontecer devido à névoa cinzenta que encobria as vielas e sua total desorientação.

Desorientação? Sim. Eleanor sentia algo estranho em seu íntimo. O pressentimento de que uma coisa muito ruim estava prestes acontecer tomara todos os seus sentidos. A morena sempre teve uma proximidade com o sobrenatural, com premonições, mas dessa vez a sensação ruim estava pior e o fato do halloween se dar no dia seguinte, provavelmente seria uma prova irrefutável disso.

A mulher de cabelos negros resolveu deixar-se guiar pela intuição e continuou caminhando por toda a noite. Passos e mais passos e mais passos foram dados ignorando todo o cansaço de seu corpo. Quando os sapatos incomodaram a ponto de doer seus pés, obrigando-a a parar, ela engoliu em seco, com um arrepio percorrendo os seus membros desde a base da sua coluna, ao notar que estava em frente ao cemitério. Cemitério este, onde sua mãe, Valerie Morris, havia sido enterrada.

Circundando o local com o olhar, Eleanor aboliu a estranha sensação de ter sido seguida: não havia ninguém na rua. Coincidentemente - ou por uma infundada ironia do destino - o grande portão de ferro do cemitério estava sem as correntes, o que facilitou a entrada da morena. Ela mordeu o lábio inferior, sorrindo breve e discretamente, mesmo tendo a certeza de que algo daria errado. Por tal motivo, segurou firme na adaga que carregava consigo, mais como meio de prevenção. Uma força - até então desconhecida - a guiara até ali, e como nunca fora de arregar, seguiria até o fim naquele propósito - fosse qual fosse.

...

...

...

É preciso estar logado para visualizar o restante do capítulo.

Este conteúdo é protegido pela Lei nº 9.610/98 – a Lei de Direitos Autorais.
Assinar ou apresentar como seu é crime pois viola os direitos de autor.

O acesso a este conteúdo é registrado de acordo com as políticas de uso.

Capítulo comentários

É preciso estar logado para poder comentar. clique aqui para entrar ou fazer o cadastro.

Comentários

Carregar Mais

Livro compartilhar

Olá, você pode compartilhar ou convidar seus amigos, para ler esse livro através do Facebook, Twitter ou Email.