Romance
103
7

Capítulo

Publicidade

Capítulo 11

A ida para a capital

   Acordei com alguém batendo na porta, Eduardo dormia e seus braços me prendiam em um abraço apertado e nossas pernas estavam entrelaçadas.
   —Eliza!—Sofia me chamou baixinho.—Eu sei que o Eduardo está aí .Preciso falar com ele é urgente!
   —Espere um momento.—Eduardo dorme toso esoareamado em minha cama,toco levemente em suas costas para acorda-lo.—Eduardo...Eduardo .—Ele acordou um pouco assustado.
   —Que horas são ?—perguntou vestindo suas roupas.
   —Devem ser umas oito da manhã , Sofia está batendo na porta.—ele fez uma cara de espanto.
   —Eduardo, eu sei que você está aí. Vem logo o papai não está se sentindo bem.—Ele terminou de se vestir rapidamente e foi correndo para o quarto do tio Ot&aac

   Me despedi de todos na Fazenda,José veio me dizer adeus,junto com seus pais .Eduardo não gostou muito ,ainda não entendi essa cisma dele com José. Mas fora tudo isso ficaria para trás,pois uma nova vida me esperava na capital.E Eduardo e eu estaríamos juntos,isso era o mais importante  Agora que descobrimos que nosso amor é verdadeiro ,ninguém vai conseguir boa separar.
  Já estávamos viajando há quase três horas , eu sentei na frente
da caminhonete ao lado de Edu. Sofia quis que o pai ficasse ao lado dela para que ela cuidasse dele durante toda a viagem, Bruno a ajudava   sempre a acalmando.

  Chegamos e Eduardo foi logo pedindo aos empregados para acomodarem seu pai no quarto .A viagem não lhe fez muito bem e a preocupação de todos era evidente.
Tio Otávio era muito querido por todos , além de ser um grande cirurgião especializado em traumatologia , vindo de uma das famílias mais ricas do estado , era muito conhecido pelas obras de caridade .Eu mesma pude comprovar isto, pois desde que cheguei na fazenda para morar com minha tia, sempre fui tratada como mais uma filha , e nunca me deixou faltar nada.Os funcionários do lugar até achavam que eu realmente era filha do patrão .
   Estava arrumando minhas coisas no armário quando Sofia entrou em meu quarto feito um furacão e se jogou na cama.
   —Agora você não escapa , pode me contar tudo . Só me poupe dos detalhes sórdidos. —Fiquei vermelha como um

   A semana passou muito rápido , eu estava muito ocupada preparando  tudo para o início das aula e Eduardo com todos os exames do pai e precisou voltar a residência no hospital antes do previsto quase não nos vimos e eu estava morrendo de saudade.
    Sempre que podia ele vinha e me dava um beijo daqueles que faziam minhas pernas ficarem bambas.
   Hoje é o meu aniversário de dezoito anos Sofia me convidou para irmos em uma balada que "estava bombando" segundo ela .Lá tinha um palco e as vezes era permitido cantar, e hoje era um desses dias e por isso estaria lotada.
   Edu havia falado comigo pela manhã me deu um belo buque de rosas vermelhas e me pediu desculpas pois estaria de plantão no hospital e que me encontraria lá mas não sabia a hora .
   Coloquei um vestido rodado que ia até meus joelhos, na cor vinho

...

...

...

É preciso estar logado para visualizar o restante do capítulo.

Este conteúdo é protegido pela Lei nº 9.610/98 – a Lei de Direitos Autorais.
Assinar ou apresentar como seu é crime pois viola os direitos de autor.

O acesso a este conteúdo é registrado de acordo com as políticas de uso.

Ir para outro capítulo:

Capítulo comentários

É preciso estar logado para poder comentar. clique aqui para entrar ou fazer o cadastro.

Comentários

Carregar Mais

Livro compartilhar

Olá , você pode compartilhar ou convidar seus amigos, para ler esse livro através do Facebook, Twitter ou Email.