Capítulo

Publicidade

Os Diários

Quando eu cheguei em casa, depois do enterro da minha avó, meu estômago continuava pesado e a minha cabeça doendo. Nos últimos anos eu não tinha mais o mesmo contato de antes com ela porque mudei de cidade quando formei em jornalismo e com o trabalho eu não tinha muito tempo para ligar para a minha família, mas, mesmo assim, o meu relacionamento com a dona Rosamaria nunca enfraqueceu, ela sempre foi a minha pessoa favorita do meu núcleo familiar.

Tomei uma xícara de café na cozinha da casa, que antes eu vivia com minha família, depois fui para o meu antigo quarto, descansar antes de ajudar a minha mãe a guardar os pertences da minha avó. Eu não cheguei a sonhar no curto tempo que descansei, não posso chamar aquilo de sonho porque foi mais um clipe com um compilado de lembranças que eu tinha da infância, todas relacionadas a minha avó. Mesmo não estando consciente, eu senti meu coração bater mais forte só de reviver aquilo tudo, os próximos dias iriam ser os mais difíceis, mesmo longe da minha cidade natal, me acostumar com a ideia de que nunca mais poderei ver a dona Rosamaria novamente deixa meu peito apertado e as minhas emoções a flor da pele.

Minha avó era uma mulher tão incrível, com ideias tão modernas levando em conta a época em que nasceu. Ela defendia a independência das mulheres, os direitos LGBTs e quando podia participava de eventos desses grupos que aconteciam em nossa cidade, sempre muito bem recebida e tratava todo mundo com respeito e dignidade, não importava orientação sexual, etnia ou identidade de gênero. Eu a admiro por isso, conseguir ser tão cabeça aberta, diferente de algumas pessoas da minha geração. Eu penso que Rosamaria era assim porque ela deve ter vivido algumas histórias que foram importante para a sua formação, às vezes eu me pegava pensando o que poderia ter sido.

Fui acordada pela minha mãe, que batia à porta aberta do quarto, enquanto me chamava pelo nome:

— Emília, Emília… — “Toc, toc, toc” do seu punho fechado batendo na porta. — Emília, acorda para me ajudar a arrumar as coisas da tua avó, guria… Ainda tu tem que ver aquela caixa que ela deixou para você.

...

...

...

É preciso estar logado para visualizar o restante do capítulo.

Este conteúdo é protegido pela Lei nº 9.610/98 – a Lei de Direitos Autorais.
Assinar ou apresentar como seu é crime pois viola os direitos de autor.

O acesso a este conteúdo é registrado de acordo com as políticas de uso.

Ir para outro capítulo:

Capítulo comentários

É preciso estar logado para poder comentar. clique aqui para entrar ou fazer o cadastro.

Comentários

Carregar Mais

Livro compartilhar

Olá, você pode compartilhar ou convidar seus amigos, para ler esse livro através do Facebook, Twitter ou Email.