Notas de Sangue

Suspense-Mistério

Livro ler capítulo

Estatísticas:


0

Ir para outro capítulo:

Publicidade

Capítulo

Tamanho da fonte:

Largura do texto:

Mudar cor do fundo para:

Escuro Claro

Tela cheia:


Notas de Sangue
Beco da Morte - Capítulo 1

Uma noite sem crimes não era uma noite normal em Santa Helena, e essa noite não podia ser diferente. A cidade maldita não encontrava paz, vivendo uma intensa guerra contra o mal a cada dia. O detetive Derek, um homem caucasiano alto, de ombros largos com cabelos escuros e olhos amendoados, era uma das poucas almas que decidiu fazer alguma coisa naquela cidade do mau.
Ele era um dos especialistas em mortes estranhas do Departamento de Polícia de Santa Helena (DPSH). Mais especificamente, ele era o melhor no assunto. Todos os oficiais sabiam, se Derek se metia no assunto, o melhor era deixa-lo trabalhar e não se meter.

Naquela noite fria, o detetive estacionou seu carro na esquina, a alguns metros de distância de onde as viaturas do DPSH estavam paradas, com seus giroflexes ligados, alertando sobre uma possível situação emergencial. Próximo as viaturas havia um cordão de isolamento com fitas amarelas, onde havia a mensagem "PLEASE DO NOT CROSS", escrito em letras pretas.
Derek saiu do carro, um Impala preto, e começou a caminhar em direção aos policiais. O detetive vestia a mesma roupa de sempre. Uma camisa branca e calças pretas, junto de um par de sapatos gastos. Estava coberto com seu velho sobretudo de com marrom onde um cantil de metal, que usava para guardar seu uísque, repousava em seu bolso. Seguindo o velho hábito, antes de entrar na cena do crime ele pegou o cantil e verificou a quantidade de bebida que havia dentro. Após chacoalhar algumas vezes, averiguou que estava pela metade. Abrindo o recipiente enquanto entrava no beco do crime, ele o levou até a boca e deu dois bons goles, sentindo a ardência familiar da bebida.

- Detetive Derek! - Chamou um jovem oficial que se encontrava analisando a cena. - Que bom que está aqui.

- O que você tem pra mim, Stan? - Disse o detetive, enquanto guardava seu cantil. - Mais um corpo incendiado? Já seria o quarto esse mês.

- Creio que não, senhor. Por favor, venha comigo.

...

...

...

É preciso estar logado para visualizar o restante do capítulo.

Este conteúdo é protegido pela Lei nº 9.610/98 – a Lei de Direitos Autorais.
Assinar ou apresentar como seu é crime pois viola os direitos de autor.

O acesso a este conteúdo é registrado de acordo com as políticas de uso.

Capítulo comentários

É preciso estar logado para poder comentar. clique aqui para entrar ou fazer o cadastro

Comentários

Carregar Mais

Livro compartilhar

Olá, você pode compartilhar ou convidar seus amigos, para ler esse livro através do Facebook, Twitter ou Email.